A violência fecha portas e a cultura abre asas em mulheres

por Maria Júlia Freitas

Por Brenda Nury

Mulheres em situação de vulnerabilidade enfrentam desafios significativos em nossa sociedade. Essa vulnerabilidade pode se manifestar de várias maneiras, e é importante reconhecer e abordar essas questões para promover a igualdade de gênero e a segurança das mulheres, seja dentro de casa ou em outros contextos. Isso inclui violência conjugal, sexual ou doméstica. A perpetuação dessas violências ao longo das gerações é uma realidade comum entre membros de famílias vulneráveis onde a estrutura social e o machismo estão presentes tanto em contextos urbanos quanto agrários, mas se manifestam de maneiras diferentes.

Em Volta Redonda, a Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher (Deam) tem registrado um número alarmante de casos de violência contra a mulher. Os relatados incluem Ameaça (É o crime mais frequentemente denunciado na Deam de Volta Redonda), Violência física, Lesão corporal, Violência psicológica e Perseguição (stalking).

Redes solidárias de apoio existem para ajudar mulheres em situação de violência e vulnerabilidade. Essas redes oferecem suporte emocional, informações e recursos para mulheres que enfrentam desafios em suas vidas. Um bom exemplo é o Projeto Social Fala Mulher, que oferece uma valiosa oportunidade de reunir mulheres para discussão e conscientização dos desafios da mulher moderna. As rodas de conversa e as palestras são conduzidas por profissionais especializadas como neuropsicopedagoga, psicológica e advogada, que abordam uma diversificada gama de tópicos relevantes como saúde física e mental, violência doméstica, vulnerabilidade social, educação das próximas gerações entre outros.

 

Projeto Fala Mulher

Neste contexto, o Projeto Fala Mulher, promove no dia 06 de abril a partir das 9h no Clube Náutico o evento Encontro MulherArt, um espaço para que mulheres em situação de vulnerabilidade possam expor e vender seus trabalhos para alcançar a autonomia que precisam e seguir seu caminho longe da violência a que foram submetidas.

 

 

A arte tem a capacidade de proporcionar a mulheres outro sentido de vida e através dela se expressarem, criando condições de demonstrar, em variados objetos e formas, o que não conseguem verbalizar. Muitas vezes a arte passa a ser um instrumento terapêutico fundamental no processo de cura após uma vida sofrendo abusos e violências.

O encontro MulherArt nos aponta um caminho onde que a arte pode ser, não apenas um instrumento para se comunicar, mas também uma ferramenta para a independência financeira, já que muitas vezes a falta dela torna a liberdade do lar violento impossível de se alcançar. O evento contará ainda com Palestra da Dra Monique Kazlowski, Juíza da 2ª Vara do Trabalho de Volta Redonda.

Mais uma ação da sociedade civil fundamental para a prevenção da violência contra a mulher e reestruturação da vida de tantas mulheres que vivem o horror solitário da vulnerabilidade. Prestigiem e participe da reconstrução de vidas através da arte.

A arte muda vidas!

Você pode gostar

Deixe um comentário