Como está sua Autoestima?

por sergiocjr

Por Bruna Legnaioli

Assim como a maioria das mulheres, em nenhum momento da minha vida eu aprendi a me amar e confiar em mim.

E por isso, cresci totalmente dependente do amor e da aprovação das pessoas.

Me tornei uma mulher insegura na minha vida profissional, só procrastinava, me sabotava e no fundo não me sentia capaz de nada. Por mais resultados que eu tivesse, nunca me sentia merecedora de nada.

Me tornei uma mulher dependente nas minhas relações, por muitos anos buscava minha salvação especialmente nos homens, sentia uma necessidade absurda de ser amada pelos meus namorados, era carente, ciumenta, tinha muito medo de ser trocada e traída. Por mais que eles demonstrassem o amor deles por mim, nunca era suficiente… eu sempre sentia que faltava, e sufocava todos eles com minha carência e dependência.

Até o dia que cheguei no fundo do poço e tentei tirar minha vida depois do fim de um relacionamento. A verdade é que me senti tão vazia que me vi sem forças para sobreviver. MAS DEUS ME DEU UMA SEGUNDA CHANCE. E somente aquele dia, naquela cama de hospital, eu entendi que o problema estava comigo, e não com eles. Entendi que se eu não fizesse nada para mudar teria que me contentar com aquela vida para sempre.

Comecei minha incansável busca em me curar daquela falta de amor, de autoconfiança, e a verdade é que tudo que ouvia em terapias e cursos era que eu tinha que me amar, confiar em mim e me valorizar mais. E quanto mais eu ouvia isso mais eu me sentia culpada e incapaz, porque ninguém me dizia COMO fazer aquilo. A sensação que eu tinha é que todo mundo sabia, menos eu.

Foi então que eu decidi “já que ninguém me ensina, eu vou aprender sozinha”. Meu primeiro passo foi compreender de que forma eu me sentia amada e valorizada pelas pessoas, e como eu poderia fazer aquilo por mim. A medida que eu ia mudando a minha forma de me tratar e de me enxergar, fui curando minha relação comigo, me tornando uma mulher a cada dia mais segura e confiante. E sim, eu aprendi a me amar, eu aprendi a confiar em mim, eu curei minhas feridas, eu reconstruí minha relação comigo. Eu escolhi me amar e confiar em mim!

Eu descobri que autoestima se aprende, eu descobri um caminho e não poderia guardar aquilo para mim. Porque eu já estive nesse lugar, e não desejo que ninguém fique nele. Foi então que comecei a aplicar nas minhas pacientes, que tiveram resultados extraordinários. À partir disso nasceu o Método Os 6 Pilares da Autoestima, o qual irei compartilhar com você à partir de agora.

Mas antes de começar, vamos fazer um teste. Veja com quantos sintomas da baixa autoestima você se identifica:

NO RELACIONAMENTO:

Duvida do sentimento do parceiro, não se sente amada o suficiente, tem muito medo de ser traída ou trocada, se sente um peso na vida do parceiro, tem medo de perder, vive relações abusivas, é dependente financeira, se anula pra viver a vida do outro, é ciumenta, pode ser autoritária e controladora.

NA VIDA PROFISSIONAL

Não se arrisca, tem necessidade de ser aprovada o tempo todo, se sente uma fraude, se compara e pode ser competitiva, só se prepara mas nunca se sente pronta, sempre acha que não fez suficiente, perde oportunidades por medo, se esforça demais porque quer tudo perfeito, tem muito medo de errar e fracassar, procrastina o que é importante, não e sente merecedora de ser próspera, não reconhece suas qualidades, dons e talentos

NA RELAÇÃO CONSIGO

Se cobra e se critica demais, não se sente capaz de realizar nada, é forte e corajosa, mas se fechou para as pessoas, é autossuficiente, não sabe pedir ajuda e está cansada, não tem tempo pra cuidar dela, não gosta de ficar sozinha, tem dificuldade de tomar decisões, nunca está satisfeita com a própria imagem, fala mal de si, hábito de enxergar o lado negativo das pessoas e coisas, se culpa por tudo.

Se você se identificou com alguns ou vários sintomas, esse é um sinal de que você precisa trabalhar sua autoestima urgente!

Não perca as próximas matérias, você vai aprender na prática como se libertar disso!

ATÉ A PRÓXIMA SEMANA.

 

 

 

Você pode gostar

Deixe um comentário